Sábado, 11 de Setembro de 2021

Amadora - Dia do Município

 

Amadora é uma cidade portuguesa pertencente ao distrito e área metropolitana de Lisboa.

É sede do município da Amadora, um dos mais pequenos municípios de Portugal com apenas 23,79 km², mas 171 719 habitantes (2021), sendo o mais densamente povoado do país e dividindo-se em seis freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Odivelas, a sueste por Lisboa, a sul e oeste por Oeiras e a oeste e norte por Sintra.

O território municipal é habitado desde tempos remotos, com diversos vestígios da ocupação pré-histórica da área. A cidade da Amadora constituiu-se em torno do lugar da Porcalhota, servida pela Capela de Nossa Senhora da Conceição da Lapa, sede de irmandade própria que dispunha de avultados bens. Pertenceu, entre os séculos XIX e XX, ao concelho de Oeiras, tendo em 1936 sido desmembrada de Carnaxide passando a constituir freguesia autónoma, sendo a povoação sua sede elevada à categoria de vila no ano seguinte. Em 1979, a vila da Amadora é elevada a cidade tendo sido constituído o município da Amadora pelo seu desenvolvimento demográfico.

Inicialmente de cariz rural e pontilhado de aldeias e pequenos casais, o município foi-se desenvolvendo em virtude da melhoria das acessibilidades, especialmente após a construção da Linha de Sintra. Entre as décadas de 1950 e 1970, sofreu uma explosão demográfica em virtude da sua posição dentro da primeira coroa envolvente à capital do país.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Amadora)

----------------------------------------------

Comemora-se hoje o Dia do Município da Amadora.

Este Município foi o primeiro a ser criado após o 25 de Abril de 1974, em 11 de setembro de 1979, deixando de ser nessa data uma freguesia do Concelho de Oeiras, ao qual pertencia desde 1916.

Esta é a cidade em que nasci e onde vivo!

 

 

Tags:
publicado por Adelaide Pereira às 10:25

link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Agosto de 2021

Férias de verão na aldeia!

De Beja para Oliveira do Hospital!

-------------------------------

Estamos na casa de aldeia dos meus avós maternos!

A minha "casa de sonho", como sempre me lembro de lhe chamar.

Em criança e adolescente as minhas férias de verão eram sempre passadas nesta pequena quinta com vista para a Serra da Estrela. Ainda hoje não dispenso alguns dias de descanso neste local. 

Com os meus pais, depois a minha irmã, ... mais tarde com o marido, os filhos, ... e agora apenas nós dois! 

Este local contém lembranças dos momentos mais maravilhosos da minha infância e adolescência.

As férias de verão eram o único período de tempo em que convivia com os meus avós e com a maioria dos tios e dos muitos primos que aqui viviam e que me acompanhavam em inúmeras brincadeiras e aventuras que me faziam sentir completamente livre e feliz.

No dia em que terminavam as férias e partíamos começava a sonhar com as férias do verão seguinte!

Recordo todas as pequenas casas habitadas por famílias numerosas, as quais aumentavam substancialmente durante o verão com a vinda dos familiares que vinham aqui passar férias.

Nos últimos anos, o número de habitantes da aldeia foi reduzindo progressivamente. A maioria dos descendentes tem rumado a outros locais do país, ou até mesmo do estrangeiro, em busca de melhores condições de vida, ficando apenas as pessoas de idade mais avançada. Poucos familiares vêm passar férias. E assim, muitas das casas foram ficando abandonadas, algumas transformadas em ruinas. Fiquei feliz por saber que alguns elementos mais jovens estão aqui a fixar residência e a constituir família, renascendo a esperança de que talvez a quinta não morra como tem acontecido com tantas neste país.

 

Um pormenor que recordo desde sempre era as pessoas que, assim que chegávamos, nos vinham saudar, matando saudades e questionando novas de outros familiares, trazendo de oferta alguns dos melhores produtos dos seus terrenos, pequenas dádivas que consideravam de pouco valor, mas que para nós tinham um enorme valor afetivo, pois eram fruto de trabalho muito duro e tinham o sabor especial da aldeia.

Esta tradição mantém-se!

Assim que chegamos já tinhamos à nossa espera um saco de batatas, a que se foram seguindo uma gigantesca curgete, cenouras, cebolas, feijão verde, peras, e até um raminho de salsa.  

O primeiro almoço destas férias de verão, apesar de apenas partilhado por nós dois, teve o doce sabor da nossa aldeia!

E o jantar, à luz das velas, frugal e simples, como no tempo dos meus avós agricultores, caldo verde, pão, queijo e vinho!

 

publicado por Adelaide Pereira às 22:37

link do post | comentar | favorito

Beja- Pormenores

Beja- Alguns pormenores...

Mais um presépio para a minha coleção.

Este foi adquirido na Associação de artesãos de Beja.

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 22:19

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Agosto de 2021

Guest House Stories; A casa, a escuridão - José Luís Peixoto; Todos os escritores do mundo têm a cabeça cheia de piolhos - José Luís Peixoto; No dia em que fugimos tu não estavas em casa - Fernando Alvim

Breve estadia em Beja.

Pernoitamos na Guest House Stories, onde cada quarto é dedicado a um escritor, havendo em cada quarto obras do respetivo escritor, e, junto à receção, existe uma pequena biblioteca onde os hóspedes podem escolher leituras.

Ficamos no quarto dedicado a José Luís Peixoto.

Aproveitei a estadia para ler três livros...

 A Casa, a Escuridão - José Luís Peixoto

Resumo- Segundo livro de poesia de José Luís Peixoto, publicado pela primeira vez em 2002. Este conjunto constitui também uma espécie de peça complementar ou reverso poético do romance "Uma Casa na Escuridão". Os poemas encontram-se organizados em capítulos cujos títulos poderão enunciar as etapas do caminho venturoso e tortuoso do amor: O Amor, O Amor é tudo o que Existe, As Invasões, O Amor é Impossível, A Peste, O Amor é a Solidão, A Morte.

"Este livro. Passa um dedo pela página, sente o papel como se sentisse a pele do meu corpo, o meu rosto. Este livro tem palavras. Esquece as palavras por momentos. O que temos para dizer não pode ser dito. Sente o peso deste livro. O peso da minha mão sobre a tua. Damos as mãos quando seguras este livro. Não me perguntes quem sou. Não me perguntas nada. Eu não sei responder a todas as perguntas do mundo. Pousa os lábios sobre a página. Pousa os lábios sobre o papel. Devagar, muito devagar. Vamos beijar-nos."

 

------------------------

Primeira obra de poesia que li de José Luís Peixoto.

Gostei muito!

----------------------

 

Todos os escritores do mundo têm a cabeça cheia de piolhos - José Luís Peixoto 

Resumo- Que comichão permanente é esta na cabeça de todos os escritores do mundo? Nenhum champô anti-piolhos consegue acalmá-la. Esse mal generalizado faz notícia nas primeiras páginas dos jornais e intriga os leitores deste e de todos os livros que existem. José Luís Peixoto regressa à literatura para os mais jovens com uma obra de divertido surrealismo, uma parábola moderna sobre o texto, a leitura, os livros – e aqueles que os escrevem.

-----------------------------------------

Excelente!

Adorei! 

------------------------------------------

 

No Dia em que Fugimos tu não Estavas em Casa - Fernando Alvim

Resumo- No dia em que fugimos tu não estavas em casa é o romantismo para o século XXI. Aventuras e desventuras da juventude apaixonada - ou nem tanto - em redor da vontade de ser tudo ao mesmo tempo. Ávida colecção de histórias onde o amor é maltratado por nascer dentro de corações grandes demais.

--------------------------------

Primeira obra que leio de Fernando Alvim.

Fiquei bem impressionada!

Gostei!

-----------------------------

(imagens e resumos de fnac.pt)

 

 

 

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 22:57

link do post | comentar | favorito

Beja - Castelo de Beja

Castelo de Beja - Monumento Nacional

O Castelo de Beja é o monumento mais conhecido e emblemático da cidade.
A sua Torre de Menagem, com quase 40 metros de altura, é considerada por alguns autores como a torre militar mais alta do país e uma obra-prima da arquitetura militar gótica europeia.
Trata-se de uma fortaleza gótica, cuja construção teve início no século XIII, logo após a conquista cristã da cidade, prolongando-se pelos séculos XIV e, possivelmente, XV.
Para além do castelo, são ainda visíveis as muralhas que, datando do mesmo período, cercavam a cidade medieval, restando vinte e oito torres e respetivos panos de muralha.
 

 

 
 
Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 00:12

link do post | comentar | favorito

Beja - Núcleo Museológico da Rua do Sembrano

Beja - Núcleo Museológico da Rua do Sembrano.
O núcleo integra um conjunto de estruturas arqueológicas, efetuadas entre 1980 e 1990, com vestígios desde a Pré-História até à Época Contemporânea. Os elementos mais antigos apontam para uma ocupação deste local que remonta à Idade do Cobre, ficando comprovada a teoria segundo a qual já existiria no local onde atualmente se ergue Beja um importante aglomerado urbano antes da presença romana.
Esta construção pode hoje ser observada através de uma estrutura em forma de grade de grandes dimensões, com o chão em vidro, possibilitando uma leitura da zona arqueológica. É possível, igualmente, observar algumas estruturas do período romano. Para além desta componente, o Núcleo integra ainda uma exposição de caráter permanente, na qual podem ser observados objetos retirados das escavações realizadas no sítio.
 

(foto de pinterest.pt)

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 00:03

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Agosto de 2021

Beja - Museu Jorge Vieira

Beja- Museu Jorge Vieira - Casa das Artes.
O Museu Jorge Vieira, dedicado à arte contemporânea, alberga parte do espólio artístico de um dos mais importantes escultores portugueses do século XX.
Jorge Vieira nasceu em 1922, em Lisboa, mas desde cedo estabeleceu uma relação afetiva muito forte com o Alentejo, onde viria a falecer em 1998. Com um percurso singular e único, foi um escultor de rutura, pioneiro no abstracionismo e no surrealismo.
Na década de 90 do século passado, fruto de uma relação de grande proximidade com o Município de Beja, Jorge Vieira decidiu doar a Beja uma parte significativa do seu espólio artístico, o qual está na origem do Museu Jorge Vieira, agora instalado de forma provisória na Casa do Governador do Castelo de Beja.
 

 

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 23:56

link do post | comentar | favorito

Beja - Museu Regional de Beja

Beja- Estátua em bronze com cerca de 3 metros de altura, da autoria de Álvaro de Brée, homenagem à Rainha Dona Leonor, inaugurada em dezembro de 1958.
Museu regional de Beja, Museu Rainha D.Leonor.
Antigo Convento da Conceição, fundado em 1459 pelos infantes D. Fernando e D. Brites, pais do rei D. Manuel I. Ao longo do tempo foi sofrendo diversas obras de beneficiação e de atualização estética, oferecendo por isso, nos nossos dias, uma riquíssima panorâmica sobre a arte gótica, manuelina e barroca, com particular destaque ao nível da ourivesaria, da azulejaria, da pintura, da escultura e da talha. Foi neste convento que viveu Mariana Alcoforado, presumível autora das Cartas Portuguesas. Em 1927 foi instalado no convento o Museu Regional de Beja, ampliando o espólio existente com coleções provenientes de outros conventos e palácios da região e com uma vasta coleção arqueológica.
 

 

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 23:23

link do post | comentar | favorito
Domingo, 25 de Abril de 2021

Tudo vai ficar bem!

Uma pequena escapadela há tanto tempo desejada!

Um fim de semana no meu local de sonho!

Vendo as plantas que a minha mãe plantou com tanto amor carregadas de flores, a anunciar a chegada de mais uma primavera, indiferentes ao confinamento que nos rodeia, acredito...

Tudo vai ficar bem!

 

 

publicado por Adelaide Pereira às 12:18

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020

Viagem de fim de semana "à terra"

A necessidade de esvaziar a casa pertencente aos meus pais, onde eu e a minha irmã passamos a nossa infância e adolescência, e a vontade de guardar muitas das coisas acumuladas ao longo de cerca de sessenta anos, e das quais não nos queremos desfazer, ocasionou uma viagem de fim de semana "à terra"...

Uma oportunidade de matar saudades da quinta de que tanto gosto...

IMG_6685.JPG

IMG_6691.JPG

IMG_6694.JPG

IMG_6696.JPG

e de rever alguns objetos e situações que sempre fizeram parte da minha vida, por exemplo os álbuns com algumas das coleções elaboradas pelo meu pai ao longo de vários anos ...

IMG_6653.JPG

 

IMG_6659.JPG

IMG_6663.JPG

Como já é habitual, na viagem de regresso, trouxemos alguns bens "da terra" oferecidos por familiares, para ajudar a matar as saudades...

IMG_6671.JPG

IMG_6675.JPG

IMG_6676.JPG

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 11:44

link do post | comentar | favorito (2)
Domingo, 23 de Agosto de 2020

Parque Urbano Rinchoa Fitares - Rio de Mouro

Parque Urbano Rinchoa Fitares

O espaço de natureza em meio urbano, na freguesia de Rio de Mouro, com cerca de 47 000 habitantes, caracterizado por vegetação mediterrânica e eucaliptos, foi reabilitado e transformado num parque com uma área aproximada de 12 hectares, vocacionado para o lazer, desporto e cultura.

 A localização privilegiada a nível da centralidade urbana e de acessos pode ser considerada uma zona com grande interesse ambiental, recreativo e vocacionado para a prática desportiva ao ar livre, com grande potencial educativo.

O parque foi inaugurado a 24 de maio de 2015. Nesta primeira fase da intervenção foram executados trabalhos de limpeza e requalificação do terreno e da linha de água e colocado mobiliário urbano: mesa de merendas com bancos, papeleiras, banco com costas, ecopontos, suporte para bicicletas, cabana de recreio, sinalética informativa, entre outros.

Este parque permite aos munícipes e famílias usufruir de espaços verdes de qualidade, com equipamentos de lazer, e momentos de descontração, numa paisagem natural com diversidade de fauna e flora associadas a zonas ribeirinhas.

(https://parquesejardins.sintra.pt/index.php/menu-styles/parque-urbano-de-rinchoa-fitares2)

97210331_2787016761424625_3595988182056828928_n.jp

97975666_592113114734042_1623659210262708224_n.jpg

98129407_273425560451632_6734234924552814592_n.jpg

98142230_2843874612549983_1138110065073455104_n.jp

98147164_183283042910589_5306000630383378432_n.jpg

98211209_1512133938957483_465099319834312704_n.jpg

97810974_300663654455652_8225556829397057536_n.jpg

97995510_240839063904973_7460312237001932800_n.jpg

98005894_670694353491104_4841730372381179904_n.jpg

98007111_272203007502403_6053348459128291328_n.jpg

 

 

publicado por Adelaide Pereira às 10:28

link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Julho de 2020

Férias (?)!

Uns dias de férias (?) para aproveitar a vinda do filhote, descansar dos últimos meses de trabalho intenso, afastar da cidade, redescobrir o prazer da vida, ...

rever o mar...

IMG_4102.JPG

IMG_4104.JPG

IMG_4120.JPG

voltar a apreciar a natureza...

IMG_4100.JPG

IMG_4106.JPG

IMG_4107.JPG

IMG_4145.JPG

IMG_4138.JPG

IMG_4139.JPG

IMG_4141.JPG

pintar...

IMG_4330.JPG

concluir alguns projetos de trabalhos manuais...

IMG_4132.JPG

dedicar tempo à família, principalmente aos filhos e sobrinhos...

IMG_4260.JPG

20200711_213554.jpg

passar horas a jogar presencialmente em vez de virtualmente...

20200707_154753.jpg

e esquecer um pouco (o raio d)a pandemia!

20200711_213338.jpg

 

Tags: , ,
publicado por Adelaide Pereira às 11:37

link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Março de 2020

Visita a Londres

Aproveitamos a interrupção letiva de Carnaval para fazer uma pequena visita a Londres.

Caminhamos imenso pela capital britânica e visitamos alguns locais.

20200222_113211.jpg

Westminster Abbey...

20200222_120403.jpg

Buckingham Palace...

20200222_152923.jpg

Trafalgar square...

20200222_162230.jpg

Tower Bridge...

20200223_115947.jpg

The Tower of London...

20200223_141017.jpg

British Museum...

20200224_170449.jpg

Natural History Museum...

20200225_130309.jpg

20200225_135728.jpg

 

Tags:
publicado por Adelaide Pereira às 19:50

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Fevereiro de 2020

Museu de Arte Sacra de São Roque

Museu de São Roque, também chamado de Museu de Arte Sacra de São Roque, está anexado à igreja de São Roque, em Lisboa, e possui uma colecção de arte sacra, do espólio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

(texto de https://pt.wikipedia.org/wiki/Museu_de_São_Roque )

(Fotos de Victor Pereira)

20200208_152403.jpg

20200208_152408.jpg

20200208_152432.jpg

20200208_152448.jpg

20200208_152527.jpg

20200208_153039.jpg

20200208_153303.jpg

20200208_153510.jpg

20200208_153545.jpg

20200208_153553.jpg

20200208_170145.jpg

20200208_171326.jpg

20200208_171851.jpg

20200208_171858.jpg

20200208_171913.jpg

20200208_171924.jpg

20200208_173021.jpg

20200208_173111.jpg

20200208_173120.jpg

20200208_173144.jpg

20200208_173156.jpg

20200208_174827.jpg

20200208_174851.jpg

20200208_174855.jpg

Obrigada à amiga Luisa Boléo pela excelente visita guiada à Igreja e ao Museu de São Roque no passado sábado, dia 8 de fevereiro.

 

Tags:
publicado por Adelaide Pereira às 12:08

link do post | comentar | favorito

Igreja de São Roque (Lisboa)

Igreja de São Roque é uma igreja católica em Lisboa, dedicada a São Roque e mandada edificar no final do século XVI, com colaboração de Afonso Álvares e Bartolomeu Álvares. Pertenceu à Companhia de Jesus, sendo a sua primeira igreja em Portugal, e uma das primeiras igrejas jesuítas em todo o mundo. Foi a igreja principal da Companhia em Portugal durante mais de 200 anos, antes de os Jesuítas terem sido expulsos do país no século XVIII. A igreja de São Roque foi um dos raros edifícios em Lisboa a sobreviver ao Terramoto de 1755 relativamente incólume. Tanto a igreja como a residência auxiliar foram cedidas à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para substituir os seus edifícios e igreja destruídos no sismo. Continua a fazer parte da Santa Casa hoje em dia.

Aquando da sua construção no século XVI, foi a primeira igreja jesuíta a ser desenhada no estilo "igreja-auditório", especificamente para pregação. Tem diversas capelas, sobretudo no estilo barroco do século XVII inicial, sendo a mais notável a de São João Baptista, do século XVIII, projecto inicial de Nicola Salvi e Luigi Vanvitelli, depois alterado com a intervenção do arquitecto-mor João Frederico Ludovice, como se pode verificar pela correspondência entre Ludovice e Vanvitelli, publicada por Sousa Viterbo e R. Vicente de Almeida em 1900. Ludovice enviou uma série de desenhos para Itália com as alterações impostas, uma vez que Vanvitelli se recusara a alterar o projecto inicial. Foi encomendada em Itália por D. João V em 1742. Chegou a Lisboa em 1747 e só ficou assente em 1749. É uma obra-prima da arte italiana, única no mundo, constituída por quadros de mosaico executados por Mattia Moretti, sobre cartões de Masucci, representando o Batismo de Cristo, o Pentecostes e a Anunciação. Suspenso da abóbada, de caixotões de jaspe moldurados de bronze, é de admirar um lampadário de excelente execução da ourivesaria italiana, enquadrado por um admirável conjunto de estátuas de mármore. Supõe-se que à época tenha sido a mais cara capela da Europa.

A fachada, simples e austera, segue os cânones impostos então pela igreja reformada. Em contraste, o interior é enriquecido por talha dourada, pinturas e azulejos e constituiu um importante museu de artes decorativas maneiristas e barrocas. Tem azulejos dos séculos XVI e XVII, assinados por Francisco de Matos.

O tecto, com pintura de interessante simbologia apresenta caixotões. A talha, maneirista e barroca, é rica e variada, com retábulos de altares e emoldura pinturas. Há mármores coloridos embrechados à italiana e um boa coleção de alfaias litúrgicas.

No interior da igreja conseguimos observar nove capelas, inseridas nas arcadas laterais, cada uma com a sua história e decoração representativa de suas épocas.

  • Capela da Nossa Senhora da Doutrina
  • Capela de São Francisco Xavier
  • Capela de São Roque
  • Capela do Santíssimo
  • Capela-mor
  • Capela de São João Baptista
  • Capela de Nossa Senhora da Piedade
  • Capela de Santo António
  • Capela da Sagrada Família ou do Menino Perdido

Ao lado do edifício, no Largo Trindade Coelho, está o Museu de Arte Sacra de São Roque, que tem compartimentos ligados com a igreja.

20200208_145755.jpg

20200208_155036.jpg

20200208_155107.jpg

20200208_150056.jpg

20200208_150233.jpg

20200208_150315.jpg

20200208_150422.jpg

20200208_150517.jpg

20200208_150736.jpg

20200208_150955.jpg

20200208_160904.jpg

20200208_161012.jpg

20200208_162236.jpg

20200208_162359.jpg

20200208_163140.jpg

( texto de:  

https://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_S%C3%A3o_Roque_(Lisboa) )

( fotos de Victor Pereira)

 

Tags: ,
publicado por Adelaide Pereira às 11:26

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.Bem vindos ao meu blog!!!

.pesquisar

 

.Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
18
19
20
22
24
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Amadora - Dia do Municípi...

. Férias de verão na aldeia...

. Beja- Pormenores

. Guest House Stories; A ca...

. Beja - Castelo de Beja

.arquivos

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.Tags

. todas as tags

.links

.Selinhos recebidos

.Velas acesas, uma por cada um dos membros da minha família, pela paz, e para que se acabem todos os tipos de maus tratos no Mundo!!

.As minhas afilhadas de blog: - Nélia - Arte das Manas / - Teresa - Artxike

blog da Nélia
blog da Teresa

.Leilão Forumeiros

Leilão Forumeiros
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub