Domingo, 18 de Agosto de 2019

Serra da Estrela

Serra da Estrela, situada na região do Centro (Região das Beiras), designa a cadeia montanhosa onde se encontram as maiores altitudes de Portugal Continental. O seu ponto mais elevado, com 1993 metros de altitude e denominado Torre, torna-a na segunda montanha mais alta de Portugal] (apenas a Montanha do Pico, nos Açores, a supera em 358 metros). Faz parte da mais vasta cordilheira denominada Sistema Central, no subsistema designado como sistema montanhoso Montejunto-Estrela, que se desenvolve no sentido sudoeste-nordeste desde a serra de Montejunto, e o seu cume-pai é o Pico de Almançor. A serra da Estrela é uma zona de paisagem integrada no Parque Natural da Serra da Estrela, que após a sua constituição em 16 de Julho de 1976 se instituiu como a maior área protegida em solo português.

Além da neve, da fauna e flora extraordinárias, o viajante é também atraído pela orografia de proporções colossais bem como pela riqueza humana, cultural, histórica e gastronómica da região.

A Serra é também rica do ponto de vista hidrológico, deste maciço escorrem numerosas linhas de água. Três rios nascem na Serra da Estrela: o Rio Mondego; o Rio Zêzere;- que 200 Km a jusante é tributário do Rio Tejo- e o Rio Alva; - que tributa ao Rio Mondego, nascidos da mesma Serra - Beneficiam as três maiores bacias hidrográficas do país: Douro, Mondego e Tejo - e sem que se apercebam, todos os dias, os habitantes de Lisboa, Porto e Coimbra usufruem e dependem da água proveniente da Serra da Estrela.

IMG_5438.JPG

IMG_5443.JPG

IMG_5449.JPG

IMG_5453.JPG

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:49

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 12 de Agosto de 2019

Penalva de Alva - Oliveira do Hospital

20190811_152048.jpg

20190811_162156.jpg

20190811_165006.jpg

20190811_165015.jpg

20190811_165022.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:37

link do post | comentar | favorito

Foz de Égua - Arganil

A aldeia de Foz D’Égua pertence à freguesia do Piódão e com ela partilha a beleza mística da Serra do Açor.
Caraterizada pelo seu aspecto rural serrano, com as típicas casas de xisto e lousa, circundadas por uma natureza quase em estado puro, é rica em espécies de fauna e flora que aqui encontram o seu habitat natural.

Em Foz D’Égua situa-se uma praia fluvial de grande beleza, o ponto de encontro da ribeira de Piódão com a ribeira de Chãs, que correm em direcção ao rio Alvoco e cujo percurso é travado por uma represa criando um espelho de água.

(https://www.cm-arganil.pt/visitar/o-que-visitar/foz-de-egua)

20190809_174843.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:09

link do post | comentar | favorito

Serra do Açor

A Serra do Açor - a quinta serra mais alta de Portugal continental - constitui o quadrante norte do território das Aldeias do Xisto, assegurando a continuidade da Cordilheira Central, a partir da Serra da Estrela.

Nas suas cumeadas, torres eólicas  geram electricidade que chega a todo o País.

É a mãe do Rio Ceira, que parte dos seus cumes à procura do Mondego, que só encontra à entrada de Coimbra. Mas também dá um fortíssimo contributo para os caudais do Zêzere e do Alva.

É serra que há mais de um século é esventrada pela exploração mineira, cujo centro principal são Minas da Panasqueira. Mas também por mais de 10 km de túneis que transvasam para o Rio Zêzere as águas que alimentam a albufeira da Barragem de Santa Luzia.

Esta é a formação montanhosa em xisto que atinge a maior altitude no território continental português: o Cebola, a 1438 m.

Serra com nome de pássaro, que serve de casa a algumas espécies de aves que escolhem a liberdade dos grandes espaços selvagens. Mas é pelo elenco florístico e pelas formações vegetais que aqui ocorrem que esta serra vê reconhecida a sua importância para o património natural português.

Aqui encontramos a Paisagem Protegida da Serra do Açor dentro de cujos limites encontramos a Fraga da Pena e a Mata da Margaraça.

Aqui ocorre o limite Sul da área de distribuição de uma planta rara: o Narcissus asturiensis. É nesta serra que a Trepadeira-dos-muros (Tichodroma muraria) tem aparecido nos invernos dos últimos anos.

E é esta a serra que alberga mais de metade da população mundial de uma espécie arbórea, o Azereiro (Prunus lusitanica subsp lusitanica) que tem na Mata da Margaraça a maior população mundial da espécie concentrada num só local.

(https://aldeiasdoxisto.pt/artigo/231)

20190809_164250.jpg

20190809_163514.jpg

20190809_163454.jpg

20190809_162737.jpg

20190809_165731.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:05

link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Agosto de 2019

Piodão - Arganil

A Aldeia Histórica do Piódão constitui um conjunto arquitetónico de rara beleza pelo seu enquadramento natural, mas também pela sua antiguidade, unidade e estado de preservação das construções, sendo apelidada por muitos como “aldeia presépio” dada a sua configuração que se espraia pela encosta do monte com as casas em xisto e lousa e as janelas e portas pintadas de azul, em anfiteatro.

Enquadra-se na tipologia das “Aldeias Históricas”. Sabe-se que a aldeia do Piódão serviu de abrigo a muitos que se pretendiam esconder ou por questões políticas em épocas mais severas, ou por questões jurídicas. No entanto, não foram só foragidos que a procuraram. No século XIX, o Cónego Manuel Fernandes Nogueira, fundou um colégio que preparava alunos para a entrada no seminário. Muitos rapazes da Beira Interior passaram pelo colégio entre 1886 e 1906.

A história da aldeia perde-se na noite dos tempos. Poucos são os vestígios que permitem reconstruir a história, no entanto, os achados arqueológicos de Chãs d’Égua são um importante testemunho da possível antiguidade da aldeia.

(https://www.cm-arganil.pt/visitar/o-que-visitar/piodao)

20190809_165620.jpg

20190809_165638.jpg

20190809_170548.jpg

20190809_170634.jpg

20190809_170816.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 23:32

link do post | comentar | favorito

Mata da Margaraça - Serra do Açor

A Mata da Margaraça, situada em plena Área Protegida da Serra do Açor, constitui um raro testemunho de vegetação espontânea de paisagem serrana, uma importante Reserva Biogenética, considerada como o último reduto de vegetação original do Centro do País. Abrangendo 68 hectares, a Mata da Margaraça constitui uma área que vale a pena ficar a conhecer pela sua frescura e biodiversidade. O carvalho, o medronheiro, a aveleira, a cerejeira, a madressilva, o martagão, o ulmeiro e a urze (cujo pólen dá um paladar tão característico ao mel da Serra do Açor), a par de uma elevada cobertura de musgos, líquenes e fungos, são espécies em abundância que por lá se podem observar No que toca à fauna, é de salientar o açor, a coruja do mato, o gavião, a águia de asa redonda, a gralha preta, o pombo torcaz, a rola e o dom-fafe que fazem da Mata a sua casa.

(texto de https://www.cm-arganil.pt/visitar/o-que-visitar/mata-da-margaraca)

20190809_152451.jpg

20190809_152905.jpg

20190809_153005.jpg

20190809_153050.jpg

20190809_153506.jpg

20190809_153720.jpg

20190809_154001.jpg

20190809_154810.jpg

20190809_154835.jpg

20190809_154843.jpg

20190809_154913.jpg

20190809_155113.jpg

20190809_155536.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 22:58

link do post | comentar | favorito

Centro de Interpretação da Serra do Açor

20190809_150501.jpg

20190809_150552.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 22:47

link do post | comentar | favorito

Aldeia de Pardieiros - Arganil

Pardieiros é uma aldeia situada na freguesia de Benfeita, concelho de Arganil, inserida na paisagem protegida da Serra do Açor. Na freguesia da Benfeita os habitantes de cada localidade têm diferentes alcunhas, no caso dos Pardieiros são os “Ralhadores”.

Relativamente ao nome da aldeia dizia-se que nem sempre foi Pardieiros, só conheceu este nome quando foi reabitada após uma epidemia de febre tifóide e as casas que existiam estavam em ruínas. Antes dizia-se que se chamava Valverde. 

20190809_144724.jpg

67975361_2355577644479474_2097866480694591488_n (1

20190809_145302.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 22:30

link do post | comentar | favorito

Cascata da Fraga da Pena - Benfeita - Arganil

Cascata da Fraga da Pena é uma queda de água (cascata) na Serra do Açor e que se localiza nas proximidades da aldeia de Pardieiros, Arganil, no Distrito de Coimbra, em Portugal.

Esta cascata tem origem num acidente geológico e é considerada uma das maiores mais valias entre os recursos naturais da paisagem protegida da Serra do Açor.

As águas que se despenham desta cascata correm por um vale muito apertado na montanha, dando assim origem a uma micropaisagem, que surge de forma repentina, dotada de vegetação abundante a cobrir o xisto.

O desnível da Cascata da Fraga da Pena chega aos 20 metros de altura. A sua alimentação provem da Barroca das Degrainhas, onde forma um primeiro lençol de água, águas estas que escorrem para outro menor e dando novamente origem a outra cascata.

Nas suas margens existem alguns antigos exemplares de carvalho-alvarinho (Quercus robur) e de castanheiro (Castanea sativa), medronheiro (Arbutus unedo), trovisco (Daphne gnidium) e adernos (Phillyrea latifolia e P. angustifolia).

(texto de https://pt.wikipedia.org/wiki/Cascata_da_Fraga_da_Pena e aldeiasdoxisto.pt/poi/256 )

20190809_123201.jpg

20190809_130722.jpg

20190809_132225.jpg

20190809_132233.jpg

20190809_130929.jpg

 

publicado por Adelaide Pereira às 22:15

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Agosto de 2019

Férias da minha infância!

Uma das peças que mais apreciei no Museu do Brinquedo de Seia, e que já tinha visto há alguns anos numa Fil Artesanato de Lisboa, ...

... uma réplica das carreiras da empresa Júlio dos Santos, Filhos e Ca, que faziam a ligação Carregal do Sal - Oliveira do Hospital.

20190802_170457.jpg

20190802_170514.jpg

 

Trouxe-me à lembrança as férias da minha infância!

O período correspondente às férias do emprego do meu pai, inicialmente quinze dias anuais que foram aumentando progressivamente ao longo dos anos até atingirem tinta dias, era passado na "terra", uma aldeia de Oliveira do Hospital, local de nascimento da minha mãe, e perto do local de nascimento do meu pai.

Era a visita anual, muito aguardada e desejada, aos avós maternos e paternos, que tive a felicidade de conhecer, e à maioria dos tios e primos.

A viagem era realizada de noite, de comboio, seguindo a linha da Beira Alta, de Santa Apolónia até ao Carregal do Sal.

Recordo bem quando esta viagem demorava cerca de sete horas, em carruagens com bancos de madeira. No Entroncamento tinhamos paragem obrigatória de pelo menos uma hora durante a qual todos os homens, incluindo maquinista e revisor (o chamado "homem do pica"), aproveitavam para ir comer "uma bucha" e beber "um copito". Muitas vezes confiavam demasiado nos normais atrasos em relação aos horários de partida e tinham que correr atrás do comboio, apanhando-o já em movimento acelerado. Na estação do Luso apareciam as vendedoras de água do Luso, vendida em pequenas bilhas de barro porque na altura felizmente ainda não se conheciam as garrafas de plástico,  e na estação de Coimbra as vendedoras de Arrufadas. Estas iguarias eram apregoadas em alta voz para acordar os que dormiam e adquiridas através das janelas das carruagens para não ocasionar mais atrasos na viagem.

O número de bagagens que transportavamos, que todos os anos faziamos os possíveis por diminuir, era inevitavelmente treze! Incluía alguns bens de mercearia que na vila não existiam, roupa e goluseimas para oferecer a todos os elementos da família. Estas pequenas ofertas começavam a ser adquiridas alguns meses antes com algum sacrifício e poupanças do reduzido ordenado mensal do meu pai, único elemento da família que tinha emprego.

Nas estações de comboio, os homens faziam entrar e sair as bagagens e as crianças pelas janelas das carruagens, muitas vezes em andamento; as pessoas atropelavam-se para conseguirem lugar sentado, caso contrário faziam a viagem em pé ou sentados no chão; os adultos aproveitavam para colocar o sono em dia e as crianças passavam o tempo debruçadas na janela ansiando pela chegada às várias estações, pois cada paragem significava que a viagem estava um pouco mais perto do final, pelo que quando chegavamos ao destino levavamos a cara toda suja de fuligem; a partir dos cinco anos pagavamos "meio bilhete", também chamado "bilhete de cão", mas como não era exigido documento comprovativo os pais prolongavam a sua compra o mais possível, no meu caso até aos oito anos, e quando o "homem do pica" passava e perguntava a idade encolhiamo-nos no colo das mães e diziamos inevitavelmente "Faço cinco anos para o mês que vem!" e ele fingia acreditar; as mulheres contavam repetidamente os volumes e as crianças para se assegurarem de que não perdiam nada nem ninguém; as crianças que adormeciam eram colocadas nas prateleiras das bagagens como se se tratasse de confortáveis camas; alguns passageiros trocavam conversas e identidades na esperança de encontrarem ligações familiares ou de locais; e levavamos farnéis que partilhavamos entre todos.

A comodidade dos comboios foi melhorando e o tempo de viagem diminuindo, sendo hoje uma viagem muito agradável e confortável de cerca de três horas.

Quando chegavamos ao Carregal do Sal, geralmente com alguns minutos a horas de atraso em relação ao horário, tinhamos que correr, carregados de bagagens, para apanhar a "chaleira  do Júlio dos Santos", que muitas vezes já ia a caminho.

Como o tempo da viagem de comboio foi reduzindo e a hora da carreira permanecia a mesma, alguns anos mais tarde chegavamos a esperar três horas que esta saisse.

Quando a carreira chegava ao nosso destino, tinhamos a população inteira da quinta à nossa espera para matar saudades e ajudar a levar as bagagens às costas ou à cabeça. A família tinha sido avisada do dia da chegada por carta enviada uns dias antes ou por um telefonema feito para a mercearia da vila, único local onde existia telefone.

Terminado o tempo de férias, a história repetia-se com a viagem em sentido contrário.

O número de volumes aumentava consideravelmente com batatas, feijão, ovos, azeite e outros produtos da agricultura oferecidos pelos familiares e que ajudavam a equilibrar as finanças e a apaziguar as saudade da "terra" durante algum tempo. 

A despedida era feita no meio de lágrimas e promessas de envio de cartas e de regresso no ano seguinte.

Tinha crescido alguns centímetros e estava bronzeada, efeito da liberdade, dos jogos e correrias, do contacto com a natureza e dos banhos no rio, de que na cidade não usufruia; os pés estavam feridos e calejados por ter andado sempre descalça à semelhança das crianças da aldeia; os joelhos e cotovelos encardidos e esfolados; ... mas, sobretudo, muito mais feliz e mais rica de afetos e lembranças!

Seguiam-se cerca de onze meses a sonhar e planear as próximas férias.

Saudades desse tempo em que a felicidade era feita de coisas tão simples! 

20190418_100737.jpg

(fotos de Victor Pereira)

 

publicado por Adelaide Pereira às 23:17

link do post | comentar | favorito

Museu do Brinquedo - Seia

Em funcionamento desde Fevereiro de 2002, o Museu do Brinquedo é constituído por vários espaços que apresentam uma colectânea de brinquedos de Portugal e do mundo, do passado ao presente. O seu espólio pretende ilustrar a importância dos brinquedos para o crescimento da criança e para a compreensão da noção de infância nos diferentes países. 
Este espaço museológico está dividido em vários núcleos: conhecer o mundo a brincar; memórias de infância; brincar é sonhar; e Portugal décadas de brincadeiras. Já a última sala está reservada às exposições temporárias. O museu conta ainda com um pequeno auditório para visionamento de filmes sobre a infância e uma biblioteca sobre os temas da infância, brinquedos, educação, literatura infantil e juvenil. 

 

(texto e imagem de https://lifecooler.com/artigo/atividades/museu-do-brinquedo-de-seia/378933)

 

IMG_5374.JPG

 

Elétrico construido com reutilização de latas de atum!!!

IMG_5378.JPG

 

Casa de bonecas! Um sonho nunca concretizado!

IMG_5386.JPG

IMG_5382.JPG

IMG_5380.JPG

 

Carrinho e serviço de chá muito idênticos aos que tive em criança...

20190802_164832.jpg

 

Uma sala de aula ao estilo daquelas em que fiz a instrução primária.

Nesse tempo, em todas elas, havia o crucifixo e as fotografias de Américo Tomás e Salazar.

IMG_5390.JPG

IMG_5392.JPG

 

A última sala, atividades infantis, é a preferida de muitos visitantes...

20190802_170900.jpg

publicado por Adelaide Pereira às 00:41

link do post | comentar | favorito (1)

Mata do desterro - S. Romão - Seia

A Mata do Desterro é uma área florestal situada na margem direita do rio Alva, na Senhora do Desterro, freguesias de São Romão e Seia. Propriedade da EDP - Energias de Portugal, S.A., tem uma superfície de 136 hectares e insere-se no Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE). Na Mata, sob gestão do Município de Seia desde Maio de 2007, desenvolve-se um projecto de uso múltiplo da floresta que tem por objectivos a conservação da natureza e a educação ambiental. No âmbito da conservação pretende-se restaurar a vegetação natural, potencialmente constituída por bosques de carvalhos, e promover a biodiversidade. O projecto visa também auxiliar os visitantes na compreensão da paisagem, nas suas várias componentes.

Neste sentido, a existência de um conjunto de percursos pedestres de pequena rota, articulados com a rede de itinerários do PNSE, permite conhecer os vários habitats da Mata do Desterro, assim como, aspectos relacionados com a geologia, flora e vegetação, fauna e usos e costumes do local.

( texto de http://www.cise.pt/pt/index.php/percursos/mata-do-desterro )

IMG_5366.JPG

IMG_5368.JPG

_AP_6167.JPG

20190802_142114.jpg

_AP_6183.JPG

_AP_6159.JPG

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:40

link do post | comentar | favorito

Museu Natural da Electricidade de Seia

A 6 km da cidade de Seia, a 800 m de altitude, num local particularmente agradável, nas margens do rio Alva, está instalado o Museu Natural da Electricidade. 
Trata-se da Central da Senhora do Desterro, uma das mais antigas centrais hidroeléctricas de Portugal, fruto da iniciativa de um grupo de industriais locais, que viram nas características hídricas da serra da Estrela um potencial energético que designaram por hulha branca.
Tendo sido a primeira central do Aproveitamento Hidroeléctrico da Serra da Estrela, inaugurada a 26 de Dezembro de 1909, marcou o início de actividade da Empresa Hidroeléctrica da Serra da Estrela (EHESE) e permitiu que, nessa data, a energia eléctrica chegasse a Seia pela primeira vez. 
Concebido pelo industrial António Marques da Silva foi construído, ao longo de seis décadas, um sistema de centrais hidroeléctricas em cascata, que percorrem altitudes entre os 400 e os 1600 metros e que têm os seus caudais regulados no Verão com as águas da Barragem da Lagoa Comprida, entre outras.
1907 foi o ano em que se iniciou a construção deste primeiro aproveitamento hídrico (Central da Senhora do Desterro), dos quatro existentes sobre o rio Alva. Seguiu-se-lhe em 1919 a da Ponte de Jugais, em 1937 a de Vila Cova e, mais tarde, a do Sabugueiro, empreendimentos que representaram um importante papel no desenvolvimento da electrificação regional.

Com ampliações sucessivas, a central da Senhora do Desterro, manteve-se em actividade até 1994 e, através de uma parceria entre a EDP e o Município de Seia, abriu ao público no dia 11 de Abril de 2011 transformada num espaço de fruição de memória que remonta, pois, aos primórdios da exploração da energia eléctrica em Portugal.

(texto e imagem de https://museusdaenergia.org/patrimonios/8-museu-natural-da-electricidade-de-seia )

IMG_5344.JPG

IMG_5347.JPG

IMG_5348.JPG

IMG_5349.JPG

IMG_5352.JPG

IMG_5355.JPG

_AP_6106.JPG

IMG_5356.JPG

IMG_5357.JPG

IMG_5360.JPG

_AP_6120.JPG

_AP_6118.JPG

_AP_6122.JPG

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:38

link do post | comentar | favorito

Centro de Interpretação da Serra da Estrela - Seia

O Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE) é uma estrutura do Município de Seia, orientada para o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e de valorização do património ambiental da serra da Estrela.

Sediado num parque verde com cerca de dois hectares, localizado em Seia, o CISE tem por missão sintetizar e divulgar conhecimentos sobre os processos naturais, sociais e económicos que condicionam a vida nesta montanha, sendo um local privilegiado para partir à descoberta da serra da Estrela.

O CISE apresenta um conjunto de estruturas e equipamentos multivalente de características únicas na região para a educação e divulgação ambientais, a investigação e a promoção turística, promovendo regularmente exposições, seminários, cursos de formação e visitas de interpretação ambiental, entre outras atividades.

1-edificio-principal

(texto e imagem de http://www.cise.pt )

IMG_5324.JPG

IMG_5330.JPG

IMG_5333.JPG

IMG_5335.JPG

IMG_5336.JPG

IMG_5339.JPG

 

publicado por Adelaide Pereira às 00:38

link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Agosto de 2019

Ruínas romanas da Bobadela

"As Ruínas Romanas de Bobadela são um dos mais importantes e bem preservados conjuntos arquitetónicos de valor histórico-arqueológico do “período romano” em Portugal. Este complexo de valiosíssimos vestígios do passado, disperso pelo centro histórico da aldeia de Bobadela (Oliveira do Hospital), estudado ao longo dos tempos pela comunidade científica e admirado pelos seus visitantes, mereceu há muitos anos a classificação de Monumento Nacional. Ao arco romano foi-lhe atribuída a designação de «Arco Monumental de Bobadela», ao mesmo tempo que foi classificado de Imóvel de Interesse Nacional (IIN), a 16 de junho de 1910. Mais tarde, em 15 de abril de 1936, a classificação de Monumento Nacional, foi estendida a todo o complexo, alterando-se a designação para «Ruínas Romanas de Bobadela». Entre o diversificado acervo que se encontra exposto ao ar livre, em pleno tecido urbano da bucólica aldeia, destacam-se: as remanescências estruturais da principal praça da outrora cidade romana, o forum; o majestoso arco; as epígrafes dedicadas à Splendidissima Civitas, a Júlia Modesta e a Neptuno; a enigmática cabeça de um imperador romano; e o magnífico anfiteatro.

ARCO

De “…coisa ainda dos Godos…” a “…pórtico d´algum edifício Grandioso, por quanto n´elle vemos ainda hoje dois trancadores bem formados…”, o imponente arco romano de Bobadela é, na verdade, o acesso nascente do forum. O arco de volta perfeito foi construído em grandes blocos de granito, de silharia almofadada (aparelho rústico) e assentes sem qualquer argamassa. As suas aduelas foram rematadas por uma cimalha de moldura muito simples. Os elementos arquitetónicos que compõem o arco apresentam um par de orifícios, previamente talhados em lados opostos, onde era fixado o forfex (gancho de metal empregue para elevar os pesados blocos, no momento da construção do monumento). As extremidades deste robusto “alicate” coincidiam com os dois pequenos orifícios. A pressão exercida pelo forfex sobre os orifícios permitia que os blocos de granitos fossem, deste modo, colocados no devido lugar.

IMG_5316.JPG

IMG_5318.JPG

ANFITEATRO

O anfiteatro romano de Bobadela foi utilizado desde os finais do séc. I d.C. até finais do Séc. IV d.C. como local de jogos e lutas. Era construído por uma arena elíptica, de orientação norte-sul, com um pavimento em areão grosso. O muro do podium que circundava a arena era marcado por duas entradas no seu eixo maior e constituído com fiadas de blocos de granito e rematados por uma cornija de duas peças. O enchimento da cavea (celas subterrâneas), com cerca de 15m de largura, aproveitou sempre que possível o afloramento rochoso, e sobre ele assentavam as bancadas de madeira."

IMG_5309.JPG

IMG_5313.JPG

IMG_5314.JPG

(texto de https://www.cm-oliveiradohospital)

publicado por Adelaide Pereira às 01:34

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.Bem vindos ao meu blog!!!

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Serra da Estrela

. Penalva de Alva - Oliveir...

. Foz de Égua - Arganil

. Serra do Açor

. Piodão - Arganil

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.Tags

. todas as tags

.links

.Visitas a partir de 28-Dezembro-2009

provided by Inteliture.com
Inteliture.com

.professora

.Selinhos recebidos

.Velas acesas, uma por cada um dos membros da minha família, pela paz, e para que se acabem todos os tipos de maus tratos no Mundo!!

.As minhas afilhadas de blog: - Nélia - Arte das Manas / - Teresa - Artxike

blog da Nélia
blog da Teresa

.Leilão Forumeiros

Leilão Forumeiros
blogs SAPO

.subscrever feeds